terça-feira, fevereiro 22, 2005

Porque...




Porque cego quando te não vejo?
Porque ensurdeço quando te não oiço?
Porque morro quando não respiro o teu hálito?

- Porque és a luz, o verbo e o alento de que careço.

Viveremos em Shangri-La, o vale-paraíso,
Sobre as folhas de palmeira, nas quais deitaremos os sentidos,
E lavaremos as mágoas com o orvalho da madrugada.

Onde Renasceremos um no outro...