sábado, fevereiro 05, 2005

Vejo-te



Vejo-te a passear pelos sítios onde nunca passeamos,
Vejo-te no rosto dos que se cruzam comigo, mas nenhum deles és tu.
Vejo-te no espelho quando me olho
Vejo-te dentro dos meus olhos que parecem teus,
Vejo-te no desenho do meu sorriso
Vejo-te nas palavras dos livros que leio nas noites vazias de ti,
palavras escritas de e para a ausência
Vejo-te na noite dos dias e nos dias das noites
Vejo-te no futuro que não vivemos
Vejo-te em tudo, porque tudo está tocado por ti
Vejo-te em tudo e tu não estás...