domingo, abril 17, 2005

Abraço [teu]



(...)

Os meus olhos doidos de segredos
mergulharam nos teus
nadando descuidados no mistério da tua alma
Como o sol de ti
que me nasce dentro
prolongando as raizes
nos sorrisos da tarde
Os meus braços tornam-se longos
implorando abraços
Perfura-me o medo do teu não aceitar
Acontece o abraço
A ternura gravada nos gestos que se alongam
A infinita ternura
Desperta a noite em sorrisos inquietos
e em desejos de sentir outros abraços...
(...)

Os meus olhos doidos de segredos
sussurrando silêncios
onde amanheço e sou e cresço...


Traços de Blair Anderson