quarta-feira, abril 20, 2005


Corres para mim
Como nuvem soprada
Rasando o trigo
E assim vens correndo manso
Instante sombra na copa das àrvores
Agitadas pelo vento

Sorris e cantas
Porque o hoje já foi
E a angústia do amanhã
É ainda um medo que não chegou

sou o teu ninho feito de macias penas
Que me arrancaste docemente, dia a dia, hora a hora
Urdidas pelos jogos de amor em que exímio és.
Descansa aqui das fadigas do corpo
Enxuga as lágrimas da alma,
E deixa que te abrace...
(....)
Foto de Heruy Detwiler