quinta-feira, maio 05, 2005

Renascer .. [em ti]


Meu mar infinto
Renasço na fimbria do mar ,
no teu mar de sargaços,
de desencontros e naufrágios…
Renasço na tua boca de sal,
no teu cheiro a maresia,
Ranasço em cada onda tua,
envolta em grinaldas de espuma,
E véus de saudade…

Margens



Derramas a palavra no meu corpo
Nos teus lábios o enigma da espuma

seios de álcool indução seda

Invoco os dedos Descrevo o sal
E narro as efemérides uma a uma

Joaquim Matos in "Palavra Indeferida"


Foto de José Romão